Redução de risco: 4 formas de identificar fraude e fraudador

A fraude empresarial não escolhe data e lugar para acontecer, porém, existem mecanismos para identificar preventivamente potenciais ações fraudulentas e o perfil de seus praticantes. A redução de risco é, portanto, um caminho a ser seguido pelas empresas. Apesar de não existir receita pronta para a prevenção e detecção destes problemas, serviços especializados de gestão de riscos concebem modelos eficientes para cada companhia alcançar os requisitos de compliance e, com isso, conseguir rastrear mais facilmente atos irregulares.

Redução de risco: o perfil do fraudador

A pesquisa Global profiles of the fraudster (perfis de um fraudador), realizada entre 2011 e 2013 pela rede global de consultorias da KPMG, indica as principais características de um funcionário com potencial para atos ilícitos:

Idade: 70% estão na faixa entre 36 e 55 anos

Tempo de empresa: 41% estão na empresa há mais de 6 anos

Setores: executivo, finanças, operação ou vendas

As fraudes mais comuns e como identificá-las

A tarefa de redução de risco deve seguir métodos eficientes e comprovados. Ainda de acordo com a pesquisa da KPMG, a fraude mais comum nas empresas é a apropriação indevida de ativos. Uma recomendação de especialistas é o outsourcing de serviços de análise de riscos, afinal, é indispensável contar com um agente neutro para avaliação de possíveis atos de fraudes. Conheça alguns mecanismos difundidos por uma consultoria especializada.

  • Inteligência competitiva

Por meio de atividades legais de coleta de informação, a consultoria da D&F atua pelo viés da identificação da atuação de concorrência com práticas desleais e/ou ilegais realizadas no ambiente competitivo. Alguns exemplos são falsificações, sonegação de tributos e quebra de patente.

  • Auditoria contínua

Trata-se de uma ferramenta de análise dos dados da empresa direcionada para filtros específicos nos processos destacados como “de risco” para a empresa. Quando na ocorrência de desvios de dados, são emitidos alertas que serão analisados pela equipe da consultoria e encaminhados para os responsáveis designados para cada situação. Essa ferramenta constitui, nesse sentido, como um recurso para a detecção de fraude, de erros operacionais ou, até mesmo, de má gestão.

  • Auditoria forense

É uma auditoria especial que engloba aspectos jurídicos, financeiros, processuais, informativos e tecnológicos. No caso das auditorias forenses realizadas pela D&F, a atividade conta com equipe multidisciplinar de profissionais que terão atuação específica diante de cada necessidade da empresa. Este modelo de auditoria pode ser usado para detecção de irregularidades e/ou fraudes. A finalidade é a de compor prova jurídica, além contribuir para a prevenção e a redução de risco na empresa.

  • Transparência em áreas de risco

Toda empresa possui departamentos mais suscetíveis a riscos, podendo ter variação de suscetibilidade conforme o segmento e a indústria. De maneira geral, pode-se dizer que os departamentos de Compras, Vendas e Contas a Pagar, por exemplo, são mais expostos a possíveis irregularidades que possam prejudicar a empresa, tanto em relação à imagem como ao risco financeiro. Dessa forma, uma das ações de redução de risco é promover a transparência em diversos pontos de contato entre a empresa e seus stakeholders:

  • relação com clientes, agentes públicos e fornecedores, com canalização do atendimento, da relação comercial e monitoramento das respostas dadas para estes;
  • comunicação entre as partes, assegurando que os conteúdos possam ser auditados e armazenados de forma adequada e segura;
  • montagem das documentações durante as relações comerciais e a segurança adequada sobre o conteúdo;
  • processos, minimizando os riscos e a condução das relações.

Saiba mais sobre nossos serviços de gestão e redução de risco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *